Terça-feira, 8 de Janeiro de 2008

.........

a força que me alimenta é frágil... há muito que desisti da vida... mantenho acesas algumas chamas essenciais..

o sorriso mecânico apenas disfarça um ermetismo ensimesmado intransponível.

falas de nada, sons abandonados para preencher um espaço estéril.

já não há esperança. não há fé. resta um esforço de sobrevivência.

o pouco que me agarra aqui é frágil, mas sustenta a vida.

todos os dias, as forças para abrir os olhos vão decaíndo.

o excesso de lucidez é vociferante: corrói vestígios de vida e afirma a vanidade de qualquer luta.

desisti de chorar: nada mais há a lavar numa alma sem sentido.

os acenos de vida e de esperança são bengalas frágeis a que nos agarramos tentando manter uma esperança em nenhures.

só há um final quando nada mais faz sentido, mas adiamos o inevitável.

afogo-me. forço-me a querer o que não quero. cada passo reitera a convicção do vazio de sentido.

vegete-se mais um pouco. masoquismo qb.

há quem o mereça. ainda assim estendo o braço e apoio a minha mão. por vós e apenas por vós.

eu sou dionisante às 01:30

ah! | ditos | quero-te comigo
2 comentários:
De Fecho Aberto a 12 de Fevereiro de 2008 às 09:44
mas que dia difícil... tanta agonia...
De dionisante a 12 de Fevereiro de 2008 às 22:05
são muitos e difíceis. "há almas que choram, almas que gritam" dizia a canção. beijo.

disse?

a face oculta

pesquisar

 

Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

é proíbido

telegrama transeunte

angels

apontamentum

.........

gratia

lava

heranças

titanico

em nome da mãe

Matrix

rastos deixados

Novembro 2008

Agosto 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Novembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Abril 2006

Março 2006

:o

todas as tags

segue-me

este foi o teu passo em falso

Mesothelioma Cancer
Mesothelioma Cancer
blogs SAPO

subscrever feeds